sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

O meu Bolo Rei





O que é isto?!?!?!
A velha mudou de artes????
Mas que grande confusão!!  O linho já tem uma nódoa e o bolo uma pincelada ... Bordados, tintas e bolos não combinam!!

Pois não!!
Mas hoje é o último dia de 2010 e a "velha" resolveu comemorá-lo com este bolo rei. Acabadinho de sair do forno, ainda dá para ver o vapor no prato,  simples de fazer e delicioso de comer ....  eh eh eh!
A receita está aqui neste site.

Quanto a 2011, a  listinha de objectivos a alcançar, ou "esperanças"  já está pron-ti-nha !! Pessoalmente, 2010 foi um ano para esquecer - ok, já está esquecido! - então  VIVA 2011, e os objectivos que aí vêm!! Não vou especificar quais são, porque quase aposto, são muito parecidos com os de toda a gente.  Saúde, Família, Amigos, e se não for pedir muito, algum dinheiro também ...  se não me faltar nada disto, apenas me falta a coragem para pedir mais.  E pronto, tenho tudo, sou rica!!  Oxalá, que neste mundo sem juízo, um dia todos possam partilhar da minha riqueza. Oxalá  eu seja sempre rica ....

Feliz 2011 e que .....

  - que cada um complete a sua frase.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A magia do azevinho


    Complicámos tudo!! Ah, pois foi ...

    O Natal perdeu a simplicidade, enchemos as ruas e as casas de luzes, pusemos um pai natal á porta de cada loja,  colocámos umas músicas, que são sempre as mesmas, nos elevadores, nos centros comerciais ... em todo o lado.  A  empresa que gere o multibanco, explode sempre nesta altura, de tanto movimento e transacção ... Há uma correria sem norte, para comprar, comprar, comprar .... Tudo tem que estar perfeito, pois tudo tem que ser perfeito ...
    Socorro, o Natal está a chegar !!

   Confesso que o Natal não me entusiasma particularmente, pelo menos o lado mais consumista e as exigências sociais a que nos obriga, acho que nos deixa exaustos. E o cansaço, retira a lucidez para que a vivência dos momentos presentes seja mais intensa.
   Mas acredito que a essência do Natal continua a mesma. A expectativa das crianças pela hora de abrir os presentes. A expectativa das familias pela hora da reunião, pois muitas só se vêem nesta altura. O prazer da partilha. O prazer de dar ... de fazer alguém sorrir. A palavra "Obrigado" mil vezes repetida não perde o sentido, assim como os votos "Feliz Natal e um Próspero Ano Novo", são sempre os mesmos, mas cheios de bem querer  e de intenção.
   Posso achar alguns procedimentos superflúos, mas gosto do espírito do Natal e ... dos coscurões também eheheh ...

   Este vai ser o último trabalho que vou mostrar este ano, é uma toalha de natal feita em ponto cruz, com uns raminhos de azevinho e vem bem a propósito desta época, por isso estou agora a mostrá-la, mas já foi feita há uns bons natais atrás pela minha mãe. Eu fiz uma muito parecida, mas mais pequena, que dei à minha mãe, por isso mostro a que ela me deu.

   Um Natal muito Feliz e um Ano Novo com tudo de bom, são os meus votos para todos!
   E um grande Bem Haja!!


Nota: gráficos aqui: http://artesdavelha.blogspot.pt/2012/09/ja-pensar-no-natal.html


    

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O meu porta-chaves um bocadinho ... assim ...



    Infelizmente  nem tudo na vida corre como gostariamos. Planos e mais planos são feitos e num segundo, desfeitos por uma razão ás vezes imprevisível, ou não ...  E neste tópico, cabe muitos assuntos da actualidade, a tão famosa crise e agora, mais recentemente a falta de açúcar. Não pretendo equiparar a importância dos dois assuntos, cada um no seu patamar, e de consequências bem diferentes. Mas faltar açúcar no Natal para os velhozes e cuscurões, será concerteza para a maior parte de nós, quase uma tragédia e bem mais inesperado do que uma crise. Talvez por isso oportuno, pois, é mesmo nesta altura que estamos dispostos a dar o corpinho ao manifesto,  por um quilinho de açúcar. Imagino, quantos portugueses, depois de ouvirem o boato da prespectiva de um Natal amargo, não terão em casa muito mais acúçar do que precisam  e bem mais do que tinham o ano passado ....
    Mas deixemo-nos de deduções e entrelinhas, para falar de outro assunto que também cabe no tópico "nem tudo na vida corre como gostariamos": o meu porta-chaves  deixou-me triste.
   Adorei fazer a bonequinha, mas o acabamento final ficou bem longe do que idealizei ... tenho planos para fazer mais bonequinhas destas, porque gostei de  fazer esta, mas espero que futuramente fiquem bem perfeitinhas e nada destes acabamentos um bocadinho .... assim ... eh eh eh.

    Então se não gostas, porque mostras?
    Porque este blog, assim como a vida não é só feito de coisas boas, também tem amargos de boca e é com eles que aprendemos a ser melhores, pois é muito melhor viver com a boca docinha!! - pelo açúcar que depois do Natal há-de voltar a existir nas prateleiras dos supermercados, pois desconfio que agora está todo armazenado nas prateleiras das nossas dispensas.

domingo, 12 de dezembro de 2010

O romantismo do linho



    Há muitos anos atrás, estava eu a entrar na fase da adolescência, quando vi um filme, do qual me recordo particularmente de uma cena. Não me perguntem o título do filme, nem os actores que nele entravam, não sou muito boa nisso, aliás nem da história  me lembro muito bem. Mas, quanto à cena do filme era mais  ou menos isto - e vou utilizar palavras minhas, porque as outras há muito que se desvaneceram na minha memória.

    - Quando a senhora viu a menina a chorar, aproximou-se dela, retirou da sua bolsa um lenço branco com um bordado muito bonito e entregou-lho. A menina intrigada com tal oferta, perguntou à senhora o que era, ao que esta respondeu que se tratava de um lenço para limpar as lágrimas. A menina não escondeu a surpresa, como puderia limpar lágrimas e ranho, a tão belo adereço? Então a senhora explicou-lhe que antigamente não havia lenços de papel e as pessoas limpavam as lágrimas a lenços de pano.

    Imagino, e isto agora já é uma dedução minha, que a menina tenha ficado a pensar que seria muito melhor chorar nos tempos antigos, quando haviam belos lenços bordados para consolar as lágrimas, em vez de lenços de papel. Isto, para quem os tinha, evidentemente, porque os outros assoavam o nariz ás costas da mão e limpavam as lágrimas com a ponta dos dedos, mas isso daria outra história.
    Inspirada pela cena do filme, e motivada pelo romantismo próprio da idade, também eu coloquei um lenço branco com um bonito bordado na minha mochila da escola, não fosse algum dia ter que recolher as lágrimas de alguém e nada mais ter à mão do que um miserável lenço de papel.  O tempo foi passando e para minha tristeza ninguém chorou à minha volta. O lenço branco, foi tomando as tonalidades dos livros, dos dossiers e das canetas que com ele coabitavam na mochila, ou seja, ficou muito sujo, foi para lavar e já não regressou à mochila.

    Lembrei-me desta pequena história a propósito desta toalha.
    Este é o tipo de trabalho que mais gosto de fazer, acho lindo o resultado, o linho bordado ... tem um romantismo, um encanto ... acho que é intemporal. Não me canso de olhar para ela, e já tenho outras ideias para aplicar este motivo, que me faz lembrar os enxovais antigos.  É uma toalha em linho, onde utilizei vários pontos: grilhão, corrente e pé de galo, tem também a renda que foi cosida à mão. Este desenho está na revista Arteideias nº 152.

    E já agora, porque não voltar a colocar na bolsa, o tal lencinho branco com o bonito bordado? ... desta vez, acho que vai ter uso ... não sei ... digo eu ...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Cores alegres ... ou nem por isso ...

  

    Em dias cinzentos sabe bem mostrar borboletas. É uma lufada de cores fortes e alegres que contrasta com o cinzento dos tempos. "Tempos" no plural, porque cinzento não anda só o tempo, mas os tempos em que vivemos.
    Toda a gente fala de crise com sapiência, desde economistas de renome ao cidadão anónimo, todos já imaginavam que mais tarde ou mais cedo aconteceria, simplesmente porque o sistema se tornou insustentável, e no geral consumimos mais do que produzimos e gastamos mais do que podemos.  Então instala-se a pergunta, se toda a gente sabia, porque é que deixaram acontecer? Para isso eu tenho uma explicação que vai para além dos números e que tem a ver com o analfabetismo funcional de todos nós, principalmente daqueles a quem deveria ser exigida lúcidez na tomada de decisões e responsabilidade na execução das mesmas. Não sei se vamos ter FMI, mas parece que desempregados e pobres, vamos ter muitos.  Gostava de acreditar que é apenas uma crise, que vamos todos sofrer restrições ao nosso bem estar, mas que comida nas mesas e educação nas escolas não vai faltar. Gostaria de acreditar que depois de controlada a crise, os problemas que a provocaram, ficariam resolvidos e o esforço de todos nós teria valido a pena, nem que seja em proveito da geração seguinte. Pois bem, mas não acredito!! E porquê? Porque uma vez mais vejo procurarem-se as soluções mais rápidas para resolver problemas a curto prazo e não vejo serem tomadas medidas que resolvam os problemas estruturais a longo prazo. Na educação, vejo tudo continuar na mesma, ensino sem qualidade, alunos que se esfaqueiam à porta da escola, que agridem professores, onde não há um sentimento de responsabilidade nem de respeito, de ninguém por ninguém. Claro, eu sei que há escolas que funcionam, professores que se esforçam, alunos empenhados, pais atentos ... mas, na estatistica global são a excepção, quando deveriam ser a regra. Podemos falar também da saúde, da segurança, da justiça, mas acredito que todos conhecemos os casos que vão sendo tornados publicos pelos média, ou os casos que já sentimos na pele. E eu tenho umas quantas histórias que de tão absurdas se tornam hilariantes. Sim ... eu sei que só se fala desses casos, que não é noticia de telejornal o tribunal que funciona, o hospital que não tem lista de espera, ou o distrito onde a criminalidade é insignificante. Mas será que isso existe?!?!? É possivel ... mas confesso que desconheço.
     E agora, a volta que as palavras dão, um texto que começou inspirado nas cores das borboletas acaba nestas palavras cinzentas como o tempo ... ou como os tempos. Quando liguei o computador com a intensão de mostrar estes pequenos trabalhos aqui no blog, estava  como se diz na minha terra, e acredito que em muitas outras, "com um olho no burro e outro no cigano" e não se atribua a estas palavras qualquer conotação racista ... nada disso!! Apenas quer dizer que enquanto tiro as fotos aos trabalhos estou a tomar atenção a uma voz que fala de empreendedorismo. Diz que "devemos sair do sofá, deixar as lamentações, deixar de tentar atingir objectivos impossíveis ou pelo menos improváveis e ir à luta do que queremos e pelo que acreditamos!"  Mais palavra, menos palavra, era isto o que se dizia. O lógico, será concordar com cada sílaba dita e começar hoje mesmo essa árdua tarefa, o problema é só saber por onde começar ... 


E pronto, a borboleta castanha já está no meu porta-chaves , as outras vão voar para outras bandas .... 

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Que bem que cheira!!


 
        Enquanto os pincéis descansam um bocadinho, as agulhas não param. Apesar de estar um pouco ausente do blog, tenho andado bastante entretida com os meus trapinhos, o pior mesmo é o tempo que não dá para tudo, mas desse malandro já aqui falamos ...
     Hoje deixo-vos  mais uns saquinhos, são saquinhos de cheiros e fazem parte de um conjunto de três, um deles já tinha mostrado. Ainda me falta mostrar alguns que já serviram de lembranças de casamento, mas para isso tenho que ir ao baú ...



    Este é um pouco diferente, mas o efeito fica bastante interessante. Este saquinho ainda não está totalmente pronto, nem sei se ficará, porque tem um grande defeito, o bordado não ficou bem direitinho no tecido, como não dá para desmanchar o melhor mesmo é fazer de novo. E porque é que isto aconteceu? Porque foi marcado à pressa ... depois deu nisto ...


     Agora, menina Teresa, faz de novo, que é para aprenderes!!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Encadernações




     Há  uns dias atrás, a minha mãe deu-me sobras de linho dos trabalhos dela, os cantinhos que já não lhe serviam para nada, pois normalmente só faz trabalhos grandes e ... maravilha das maravilhas!!! Vou aproveitá-los todos!! 
    Comecei então, por bordar uns panos de linho com os motivos e depois encadernei estes  blocos de notas com eles. Tive alguns problemas com a impermeabilização dos tecidos, e vou ter que pesquisar mais para encontrar uma forma mais prática para o fazer. 
    O livrinho das flores foi o primeiro que fiz, e neste momento já está desmanchado. Porquê? Porque o linho era do grosso e a encadernação não ficou bem, ainda coloquei as fitinhas a disfarçar, mas não há nada pior na minha opinião, do que fitinhas a disfarçar defeitos. Então, este já era ... 
    O da borboleta, acho que ficou melhor, o linho é mais fino e a encadernação fica mais uniforme.
    Mas não vou desistir do tecido grosso, porque gostei do efeito visual,   tenho que experimentar uma forma de o fazer que fique bem,  talvez desfiando o tecido  ...

    As Artes da Velha, também já tem a sua etiquetazinha .... um coração de feltro com umas flores bordadas ...  Este tem sido um projecto que me tem dado imenso gozo realizar, por isso resolvi acrescentar este pequeno pormenor....   

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O saquinho das flores azuis


Vou confessar uma coisa, mas esclareço já, que este blog está longe de ser um cantinho de confissões, hehehe, mas esta "confissão" vem a propósito. Sempre que coloco um novo trabalho, acabo por escrever um texto cheio de salamaleques e filosofias e que depois vai literalmente para o lixo porque não vem  a propósito de nada, nem terá muito a ver com o trabalho que estou a mostrar.  Mas gosto de pensar e tecer considerações sobre os nossos tempos e as vezes entusiasmo-me um bocadinho ... : )

Agora o saquinho ... é um saquinho, não há muito a dizer sobre ele, hão-de ser muitos mais, mas os outros um  pouco diferentes. Este bordado foi uma experiência, foi feito com uma agulha de crochê, mas vou voltar  à agulha normal. Tem também uma rendinha e um pequeno ajour.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Rosa menina!!


Tal como prometido, esta é para a menina!!

Como tinha que fazer duas caixinhas, uma para um menino e a outra para uma menina, as primeiras cores em que pensei foram no verde e no amarelo, sinceramente acho que ia ficar muito bonito. Mas depois vem o segundo pensamento, será que os papás vão gostar? ... verde e amarelo não são cores fáceis. Há outra opção, fazer as duas azuis, humm .... e porque não as duas cor de rosa? Talvez o melhor, seja mesmo ir pelo habitual, azul para o menino e rosa para a menina.  Bem sei que assim o mundo não "pula nem avança" como diria o poeta, mas não me parece vir grande mal à humanidade pelo facto de tradicionalmente o azul ser do  menino e o rosa da menina. Quando apetecer, muda-se a regra ...

terça-feira, 26 de outubro de 2010

É p'ro menino e p'ra meniiiiina!!

Não!!
Esta é só para o menino ... a da menina fica para amanhã, porque hoje não há tempo para mais ...

domingo, 24 de outubro de 2010

O meu tempo



   Quando criei este blog, estava longe de imaginar que pelos meus pincéis iriam passar tantas caixas ... se por um lado gosto, porque é novidade e vou treinando, por outro começa a ser mais do mesmo. Há tanta coisa que gostava de fazer ... e outras tantas para aprender!!
   Mas o grande problema  é o Tempo ... esse malvado que nos aprisiona, que nos condiciona e que passa por nós sem dó nem piedade. Gosto de fazer os meus trabalhos com calma, de sentir o que vou traçando, de parar para ver se gosto, de "apagar" e recomeçar de início, se for caso disso. Mas depois, lá vem o nosso ditador, o Tempo, que nos faz correr, fazer por fazer, só com o objectivo de terminar, porque ele não pára, e a seguir a isto vem aquilo, e o tempo sempre a andar e nós sempre a correr.
   Mas ás vezes é bom trocar as voltas ao tempo, deixar as obrigações de lado e fazer o que deve ser feito ... com tempo, como se o nosso tempo nunca fosse acabar. E foi isso que eu fiz, durante uns dias não fiz nada que não me apetecesse fazer, aprendi muita coisa nova, muitos bordados, com quem os sabe fazer, bem feitos. Mas o Tempo, sem tempo, acabou e houve o regresso à realidade, onde o tempo conta e tudo gira em torno dele. Agora só me resta poupá-lo, para conseguir fazer tudo o que aprendi, e tudo o que tenho planeado.

   Pois bem, esta caixinha foi feita com tempo, não importa se ficou perfeita, ou nem por isso ... importa que lhe dediquei o meu tempo, que lhe imputei sentimentos ... Foi a primeira vez que pintei uma rosa, por isso não olhem muito para ela, pode não ter espelhada a beleza das rosa, mas tem o seu perfume e isso .... ahh, ahhh ... é só meu, e só eu posso cheirar ...

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Eu e os castanhos

  

    Parece que estou na "fase" castanha, ultimamente há muitos tons de castanho nos meus trabalhos, tanto nos que tenho mostrado, como nos que ainda não tive oportunidade para isso. É possível que seja influência do Outono, porque gosto das cores do Outono ... mas a bem da verdade gosto das cores de todas as estações do ano: gosto do cinzento do Inverno, do verde da Primavera, do azul do Verão e do castanho (e das castanhas eheheh) do Outono. Talvez, porque se não procurarmos o que há de melhor em cada coisa, andamos sempre a queixar-nos. Neste caso, que no Inverno faz frio, que na Primavera temos alergias, que nos Verão faz calor e no Outono não temos o que vestir ... por isso tudo depende "DO" ponto de vista ... digo eu ...

   Acho que o efeito do quadro ficou amoroso, os tons são realmente encantadores e o tema permite-nos sonhar um bocadinho acordados, e isso infelizmente não é mérito meu, mas sim de quem idealizou este esquema... Se alguém quiser, posso envia-lo por email, mas aviso já que é um bocadinho chato de fazer ... mas eu sou suspeita para dizer isto, porque o ponto cruz não é das coisas que mais me encantam, mas gosto ...

    Como também já tive oportunidade de dizer a fotografia não é o meu forte e este exemplo ilustra bem ... não consegui tirar uma fotografia em condições, se ponho flash na máquina, parece que espelha e fica com uns efeitos brancos estranhos, se não ponho, fica tremido ...

domingo, 10 de outubro de 2010

Craquelando


    Ora cá está mais um termo novo no meu dicionário: Craquelar!!

    Estava decidida a experimentar esta técnica, pois acho o efeito bem interessante, mas não sabia por onde começar. Fiz uma pesquisa rápida na internet, fiquei com umas "luzes" e lá vou eu para a minha lojinha de eleição, onde a dona está sempre disposta a ensinar. A um passo da entrada, instalou-se no meu cérebro uma dúvida, não direi existencial, mas pelo menos pertinente:  Como é que se diz? Craquelé, ou Craquelê? E foi, ainda com esta questão na cabeça, que pedi à senhora tintas de craque... e o resto não disse, tossi, espirrei, bocejei, nem sei já ... mas sei que não disse a última sílaba. Para bom entendedor meia palavra basta e a senhora mostrou-me o que tinha, desde o mais caro, ao mais barato. E é então que se instala a 2ª dúvida: E agora, o que é que eu faço com isto? Sempre atenciosa, a senhora iniciou uma longa explicação. Entretanto resolveu o meu primeiro inigma, diz-se Craquelê. Durante a explicação ouvi palavras que nunca pensei existirem: Craquelar, Craquelado, Craquelador, e por ai fora. Confesso que me distrai (mas só um bocadinho) durante a explicação a pensar se esta palavra existiria mesmo no dicionário, e perdi-me um pouco a tentar conjuga-la " eu craquelo, tu craquelas, ele craquela ..."
    Quando cheguei a casa, e já a saber "craquelar" (pelo menos na teoria ) a primeira coisa que fiz foi ir ao dicionário ver se a palavra existia ... e ...ohhhh ... não há o verbo craquelar ...procurei em vários dicionários, mas nada. Foi então que pensei,  deve ser como o verbo "stress" que já o conjugamos de todas as maneiras e feitios e a palavra não existe nos dicionários portugueses. Mas, por via das dúvidas fui confirmar e desengano dos desenganos, lá estava no dicionário da Porto Editora o verbo stressar ... verbo transitivo, que significa provocar stress ou tensão em ... ou verbo intransitivo, que significa estar num estado de stress ou tensão.
E já agora, sabiam? Pois eu não ...

    Quanto a Craquelar, também ainda não sei muito bem, mas depois desta experiência acho que consegui perceber porque o craquelê não ficou uniforme, tem a ver com a tinta que tem uma consistência pastosa, e onde a camada fica mais fina, o efeito fica mais pequeno, onde fica mais grossa, o efeito é mais largo. E pronto, já aprendi muita coisa, agora só falta, a prática.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Todos os Nomes


     Quando alguém nos diz que se chama Ana, ficamos sempre à espera de mais qualquer coisa. Quase sempre o nome Ana é um prefixo de outro nome qualquer: Ana Maria, Ana Isabel, Ana Paula, Ana Rita ...  Mas esta é uma ilustre excepção, Ana e apenas isso.
    Não estou a entrar nas paranóias do Sr. José, trabalhador de um cartório, do romance do Saramago que começa uma busca de nomes e vidas anónimas, nada disso ... apenas gosto de nomes. Também não partilho da opinião que um nome encerra o destino de uma pessoa, mas acredito que um nome tem um significado, e não precisa de ser o mesmo para todos nós. Pessoalmente acho que o significado de um nome está ligado a uma caracteristica marcante na personalidade de alguém que conhecemos (e que tem esse nome).
    Um dos que mais gosto é Helena, mas curiosamente a única Helena de que me lembro, era a D. Helena, uma senhora de feições graves, vincadas por muitas rugas e o cabelo grisalho apanhado num carrapito. A D. Helena sempre que passava por mim na rua, esboçava um sorriso sem dizer uma palavra. Na minha timidez de adolescencia levantava os olhos do chão e deparava-me com aquela face dura, iluminada por aquele sorriso, um dos mais doces e sinceros de que me lembro.
   Sempre achei que se um dia tivesse uma filha se chamaria Maria Helena, mas a vida dá muitas voltas, não é? : )

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Posso oferecer um chá?


    Sempre que ponho aqui no blog uma peça nova, gosto de lhe acrescentar umas "palavrinhas". Isto para não parecer que está desprovido de alma, que é "chega vê a fotografia e vai embora". Não, ... fiquem para um cházinho ... neste caso : )

    Mas para esta caixinha estava dificil, já a fiz há uns dias e sempre que tentava mostra-la no blog as palavras que a acompanhavam não combinavam com a peça, era forçado ... nada tinha de expontâneo, ficava a pensar, a pensar ... para que ficasse "bem", e depois não saía nada de jeito.

    E porquê?
    Esta caixa foi feita à pressa, pincelada para aqui, pincelada para ali e tinha que ficar pronta.  Não sei se foi dos pincéis ou da habilidade, mas a verdade é que não ficou o que eu imaginei ...
    Resumindo, é uma caixa sem história, das que se fazem, só para ficarem prontas ... e para uma caixa sem história, não se pode escrever uma ... ou pelo menos, uma que seja a sua ...

terça-feira, 28 de setembro de 2010

O sorriso do Faísca

    
    Quando pintava uma das  primeiras caixinhas que fiz, estava eu atarefada a treinar florzinhas e bonequinhas, quando uma voz por cima do meu ombro sussurou : " Eu gostava era do Faísca". Na altura sorri, e guardei o pedido no subconsciente, que é como quem diz, nunca mais me lembrei até há uns dias atrás.

    Este conjunto foi todo pintado à mão, como sempre, pois ainda não me aventurei na técnica de decoupage (guardanapo). Ainda cheira a verniz, mas o Faísca já provocou um sorriso bem rasgado na cara de quem fez o pedido.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

E agora uma boneca!



    Esta boneca esteve "em prova" durante, talvez mais de um ano. Fiz o corpo, cozi-o e bordei a cara, mas quando fui montar a cabeça faltava uma peça e "ca dê  o molde"? não havia! Desisti ... chateei-me e ficou esquecida, embrulhada nos próprios tecidos e guardada em casa da mãe ...
    Até que um dia a minha mãe, cansada de ver aquele impace a ocupar-lhe espaço, pôs mãos à obra, improvisou  a peça que faltava, fez-lhe o vestido e devolveu-me a boneca.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Coisas simples ...

     "Tudo tem a importância que se lhe atribuí"! Ora, cá está um valente clichê, mas com algum significado pois não deixa de ser verdade ... vistas bem as coisas, todos os clichês, chavões, frases-feitas e afins têm, - ou tiveram quando foram ditos pela primeira vez - a sua profundidade, depois passam a ser apenas banalidades, pronunciadas de vez enquanto por quem quer "fazer bonito" e ouvidas com um sorrisinho maldoso nos lábios, por quem gosta de se sentir acima destas panaceias, ou remédio para todos os males ( pois estive agorinha mesmo a ver o significado da palavra), que é como quem diz, serve em todo o lado e em toda a ocasião, desde o funeral, até as compras no talho ... passando pelas coscuvelhices da vizinha do lado. Tudo terá a importância que se lhe atribuir!! Sim senhor!!
    Mas não nos desviemos do assunto "importante" que aqui me trás:  o meu ursinho cor-de-rosa!! E se já deu para perceber que tudo é relativo, porque não dar a devida importancia ao meu ursinho? Não será uma obra para guardar na posteridade, não será um molde para todos os ursos que hão-de vir, mas deu-me um gozo imenso fazê-lo! E assim, o meu dia foi um bocadinho melhor ...






E já agora, para quem quiser experimentar, aqui ficam os moldes.



E bom trabalho!!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

domingo, 19 de setembro de 2010

Flores de feltro



    Quando a rotina se instala na vida das pessoas, os dias vão perdendo o brilho, as horas são demoradas, e é mais díficil arrancar um sorriso. O trabalho, de tantas vezes repetido, deveria ir atingindo a perfeição. Mas isso não acontece, bem pelo contrário, quando a rotina se impõe, o trabalho, que até então estava "bem  feitinho", vai perdendo a graça. E isto aplica-se a tudo na vida.
    Então há que experimentar coisas novas, ou então nunca perder o encanto pelas velhas, o que interessa é manter sempre o brilho no olhar, e o coração a bater forte de entusiasmo, por algo que se faça, por algo que se veja ou por algo que se sinta.

    E isto tudo para dizer, que experimentei uma "coisa" nova  ... ah! ahhhh!! Feltro!!  E gostei muito. A primeira impressão foi que era relativamente fácil de trabalhar, mas a verdade é não saiu bem à primeira, requer trabalho... os pontinhos devem ficar muito certinhos e o corte direitinho, senão, não fica nada de jeito.
Então reformulei a opinião inicial e agora acho que " é relativamente fácil fazer mal feito".

    Estas flores foram "feitas a olho" pois não tinha moldes, nem tão pouco me lembrava do sítio onde as tinha visto.
    E para que servem?
    Estas vão servir para colocar nuns cortinados lisos e assim dar-lhes alguma cor. Já fiz as grandes, agora faltam as pequenas.

    Boa semana!!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Quadro com cactos


Este quadro feito a ponto cruz, foi uma mistura de vários esquemas. Segue ainda esta semana para a loja para ser emoldurado. Gostei bastante do resultado, e acho que vai ficar muito bem na parede da cozinha.

Já sei ( porque sabia e também porque me disseram) que as fotografias que tenho posto no blog podiam ter outra qualidade, mas está nos planos ler uns manuais de fotografia e melhorar a técnica, não só para que o blog fique "bonitinho" mas também pelo prazer pessoal.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Sentimentalismos ...


O fim de semana foi pouco produtivo no que diz respeito a trabalhos manuais. Outras prioridades ...
No entanto, bem lá no fundo do baú, fui encontrar este cavalo e o motivo pelo qual mereceu atenção foi o facto de já ter sido feito há muitos,  muitos anos ... foi dos primeiros trabalhos que bordei a ponto cruz, lembro-me que usei as linhas da minha mãe e as cores, foi o que havia na caixa ... Achava que o esquema era muito pequeno, por isso, por cada ponto no esquema, eu fiz quatro pontos e assim dupliquei o tamanho do cavalo.

Mas o mais interessante deste cavalo são as lembranças que trás,  a vida que era bem diferente, nem melhor, nem pior, simplesmente diferente ... lembro-me que por esta altura lia um livro de Milan Kundera que nunca terminei, porque simplesmente achei intragável ... será que se voltasse a ler este livro, agora passados tantos anos, iria gostar ? 

Este cavalo, provavelmente nunca terá direito a moldura, mas tem concerteza um lugar especial no baú das recordações, pela ternura que me inspira e pela docura do olhar do cavalo, que talvez só os meus olhos a vejam ... 

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Candeeiro



     Este candeeiro é um restauro. Quando comecei não sabia muito bem o deveria fazer, nem tinha qualquer ideia do que poderia sair daqui. Tinha um candeeiro todo amarelo e queria alguma coisa cor-de-rosa ... ficou assim. Mas não está fora de questão uma segunda versão ...
        Os próximos trabalhos vão mudar de cor, parece-me que já há rosa suficiente.


quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Mais uma caixinha


Pensava eu que esta caixinha seria a última durante uns tempos ... mas parece que não ... pelo menos mais duas já estão em agenda.

Entretanto vou desenvolvendo outro tipo de trabalhos - os bordados - que são mais a minha área, tenho vários em mãos e a próxima tarefa é acaba-los a todos, não gosto muito da ideia de começar tudo e não acabar nada.

Passo a passo - como pintar uma caixinha de madeira

       Como já tive oportunidade de dizer, comecei a pintar estas caixinhas recentemente, aprendi numa revista que tinha um tutorial muito interessante e depois fui tirando as dúvidas com a senhora da loja onde costumo comprar as tintas,  que é de uma simpatia muito grande e demonstra sempre muito boa vontade em explicar e ajudar.
      
Então cá vai ...

1º passo - a preparação da peça:
     Limpar a peça muito bem com um pano e aplicar uma base de artesanato em toda a superficie, deixar secar bem;
     Depois de seca, lixar a peça, com uma lixa fina, até que a peça fique suave ao toque;
     Limpar o pó com um pano ou um toalhete dos bebés;
     Fazer nova aplicação da base de artesanato;

2º passo - dividir os espaços
     Para que os motivos fiquem bem colocados na peça, esta deve ser dividida com uma régua de acordo com o que se pretende. Deve ser utilizado um lápis amarelo.

3º passo - passar o risco para a peça
     Se preferirem utilizar riscos já feitos, existe na net vários blogues onde se podem retirar os riscos e adapta-los ao que queremos, tamanho, cores, etc ... Para passar o risco para a peça, utilizar o método do decalque feito com papel vegetal.

4º passo - acabamentos
     Quando os motivos estiverem pintados, deixar secar e depois aplicar um verniz  para impermeabilizar a peça.

        
          E agora não digam que não conseguem ... que não sabem ...
          Não é dificil e ajuda muito a descontrair. Os primeiros trabalhos talvez não fiquem brilhantes, mas o segredo é não desistir, treinar e querer aprender. Eu cá continuo a aprender com os erros e as críticas.

Bons trabalhos!!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

São rosas senhor ... são rosas...


      Estas rosinhas feitas em fita de seda  resultam muito bem quando aplicadas nos trabalhos. São fáceis de fazer, mas é preciso apanhar o "jeito". Há imensos videos na net a explicar como se faz, basta fazer uma pesquisa com "rosas de fita". Quem não quiser ter esse trabalho, pode comprá-las já feitas numa retrosaria, custam 15 cêntimos cada uma, e há várias cores. Confesso que a primeira tentação foi mesmo essa, mas já não havia rosinhas cor-de-rosa, então fui "obrigada" a aprender a fazê-las, e ainda bem, porque com tecidos de várias texturas e tamanhos, obtêm-se resultados muito engraçados e diferentes.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Tapete de Arraiolos



     Gosto muito de Arraiolos, da cidade e dos seus tapetes.  Apesar de gostar imenso de os bordar, existem dois contras muito grandes, o pó que deitam quando se está a bordar e as dores que provocam nos braços. Mas não desisto facilmente, ou pelo menos tento ... : ) e neste momento estou "a braços" com uma passadeira de 3m por 70 cm ... vai dar pano para mangas ...

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Segunda tentativa

Quando vi estes desenhos da Sarah Kay, pintados por alguém que admiro muito e que acho que faz uns trabalhos extraordinário, fiquei rendida. Assim, fiz uma versão personalizada e fui em frente. Gostei muito de pintar esta menina, e penso voltar a repetir a experiência. Esta foi a segunda caixinha que pintei, quanto à terceira, foi o primeiro post que coloquei e a quarta já esta em execução. Depois penso fazer uma pausa das caixinhas, que apesar de gostar muito de as fazer, já estou aqui a pensar noutras coisas ...


    

A primeira caixinha


Esta foi a primeira caixinha que pintei. Pretendia oferece-la, mas acabei por guarda-la, por achar que não tinha ficado muito bem.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Quadro a ponto cruz





   Confesso que não sou uma grande entusiasta do ponto cruz, faço, quando não tenho mais nada para fazer. Este quadro já o fiz há uns  anitos, mas só recentemente foi emoldurado. Apesar de tudo deu trabalho, e demorou algum tempo a fazer.  


Caixa de Costura

Na minha terra há um ditado popular que diz "quem tem tempo faz colheres". Eu sempre que tenho tempo, aproveito para fazer os meus trabalhos. São as minhas "coisinhas", principalmente bordados que fui apendendo com a minha mãe que é dona de umas verdadeiras mãos de fada e imenso talento. Conto publicar alguns trabalhos dela.
Curiosamente o primeiro trabalho que publico é uma Caixinha de madeira,  nunca tinha experimentado a pintar, mas há uns meses atrevi-me e até gostei do resultado.  Esta não é primeira que pinto, é já a terceira, e claro que com a experiência conto ir melhorando a técnica.
 Por isso criei este blog, onde pretendo ir mostrando os meus trabalhos, aprendendo novas técnicas e ir partilhando o conhecimento.
Estou a preparar um passo-a-passo para explicar como se pintam, para que quem acha que não consegue, experimente e se surpreenda com o resultado.


E por dentro ...


Esta caixinha de costura ficou pronta esta semana e vai ser uma oferta para uma costureira. 
Agora, vou procurar no baú, trabalhinhos antigos para mostrar.