sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

O meu Bolo Rei





O que é isto?!?!?!
A velha mudou de artes????
Mas que grande confusão!!  O linho já tem uma nódoa e o bolo uma pincelada ... Bordados, tintas e bolos não combinam!!

Pois não!!
Mas hoje é o último dia de 2010 e a "velha" resolveu comemorá-lo com este bolo rei. Acabadinho de sair do forno, ainda dá para ver o vapor no prato,  simples de fazer e delicioso de comer ....  eh eh eh!
A receita está aqui neste site.

Quanto a 2011, a  listinha de objectivos a alcançar, ou "esperanças"  já está pron-ti-nha !! Pessoalmente, 2010 foi um ano para esquecer - ok, já está esquecido! - então  VIVA 2011, e os objectivos que aí vêm!! Não vou especificar quais são, porque quase aposto, são muito parecidos com os de toda a gente.  Saúde, Família, Amigos, e se não for pedir muito, algum dinheiro também ...  se não me faltar nada disto, apenas me falta a coragem para pedir mais.  E pronto, tenho tudo, sou rica!!  Oxalá, que neste mundo sem juízo, um dia todos possam partilhar da minha riqueza. Oxalá  eu seja sempre rica ....

Feliz 2011 e que .....

  - que cada um complete a sua frase.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A magia do azevinho


    Complicámos tudo!! Ah, pois foi ...

    O Natal perdeu a simplicidade, enchemos as ruas e as casas de luzes, pusemos um pai natal á porta de cada loja,  colocámos umas músicas, que são sempre as mesmas, nos elevadores, nos centros comerciais ... em todo o lado.  A  empresa que gere o multibanco, explode sempre nesta altura, de tanto movimento e transacção ... Há uma correria sem norte, para comprar, comprar, comprar .... Tudo tem que estar perfeito, pois tudo tem que ser perfeito ...
    Socorro, o Natal está a chegar !!

   Confesso que o Natal não me entusiasma particularmente, pelo menos o lado mais consumista e as exigências sociais a que nos obriga, acho que nos deixa exaustos. E o cansaço, retira a lucidez para que a vivência dos momentos presentes seja mais intensa.
   Mas acredito que a essência do Natal continua a mesma. A expectativa das crianças pela hora de abrir os presentes. A expectativa das familias pela hora da reunião, pois muitas só se vêem nesta altura. O prazer da partilha. O prazer de dar ... de fazer alguém sorrir. A palavra "Obrigado" mil vezes repetida não perde o sentido, assim como os votos "Feliz Natal e um Próspero Ano Novo", são sempre os mesmos, mas cheios de bem querer  e de intenção.
   Posso achar alguns procedimentos superflúos, mas gosto do espírito do Natal e ... dos coscurões também eheheh ...

   Este vai ser o último trabalho que vou mostrar este ano, é uma toalha de natal feita em ponto cruz, com uns raminhos de azevinho e vem bem a propósito desta época, por isso estou agora a mostrá-la, mas já foi feita há uns bons natais atrás pela minha mãe. Eu fiz uma muito parecida, mas mais pequena, que dei à minha mãe, por isso mostro a que ela me deu.

   Um Natal muito Feliz e um Ano Novo com tudo de bom, são os meus votos para todos!
   E um grande Bem Haja!!


Nota: gráficos aqui: http://artesdavelha.blogspot.pt/2012/09/ja-pensar-no-natal.html


    

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O meu porta-chaves um bocadinho ... assim ...



    Infelizmente  nem tudo na vida corre como gostariamos. Planos e mais planos são feitos e num segundo, desfeitos por uma razão ás vezes imprevisível, ou não ...  E neste tópico, cabe muitos assuntos da actualidade, a tão famosa crise e agora, mais recentemente a falta de açúcar. Não pretendo equiparar a importância dos dois assuntos, cada um no seu patamar, e de consequências bem diferentes. Mas faltar açúcar no Natal para os velhozes e cuscurões, será concerteza para a maior parte de nós, quase uma tragédia e bem mais inesperado do que uma crise. Talvez por isso oportuno, pois, é mesmo nesta altura que estamos dispostos a dar o corpinho ao manifesto,  por um quilinho de açúcar. Imagino, quantos portugueses, depois de ouvirem o boato da prespectiva de um Natal amargo, não terão em casa muito mais acúçar do que precisam  e bem mais do que tinham o ano passado ....
    Mas deixemo-nos de deduções e entrelinhas, para falar de outro assunto que também cabe no tópico "nem tudo na vida corre como gostariamos": o meu porta-chaves  deixou-me triste.
   Adorei fazer a bonequinha, mas o acabamento final ficou bem longe do que idealizei ... tenho planos para fazer mais bonequinhas destas, porque gostei de  fazer esta, mas espero que futuramente fiquem bem perfeitinhas e nada destes acabamentos um bocadinho .... assim ... eh eh eh.

    Então se não gostas, porque mostras?
    Porque este blog, assim como a vida não é só feito de coisas boas, também tem amargos de boca e é com eles que aprendemos a ser melhores, pois é muito melhor viver com a boca docinha!! - pelo açúcar que depois do Natal há-de voltar a existir nas prateleiras dos supermercados, pois desconfio que agora está todo armazenado nas prateleiras das nossas dispensas.

domingo, 12 de dezembro de 2010

O romantismo do linho



    Há muitos anos atrás, estava eu a entrar na fase da adolescência, quando vi um filme, do qual me recordo particularmente de uma cena. Não me perguntem o título do filme, nem os actores que nele entravam, não sou muito boa nisso, aliás nem da história  me lembro muito bem. Mas, quanto à cena do filme era mais  ou menos isto - e vou utilizar palavras minhas, porque as outras há muito que se desvaneceram na minha memória.

    - Quando a senhora viu a menina a chorar, aproximou-se dela, retirou da sua bolsa um lenço branco com um bordado muito bonito e entregou-lho. A menina intrigada com tal oferta, perguntou à senhora o que era, ao que esta respondeu que se tratava de um lenço para limpar as lágrimas. A menina não escondeu a surpresa, como puderia limpar lágrimas e ranho, a tão belo adereço? Então a senhora explicou-lhe que antigamente não havia lenços de papel e as pessoas limpavam as lágrimas a lenços de pano.

    Imagino, e isto agora já é uma dedução minha, que a menina tenha ficado a pensar que seria muito melhor chorar nos tempos antigos, quando haviam belos lenços bordados para consolar as lágrimas, em vez de lenços de papel. Isto, para quem os tinha, evidentemente, porque os outros assoavam o nariz ás costas da mão e limpavam as lágrimas com a ponta dos dedos, mas isso daria outra história.
    Inspirada pela cena do filme, e motivada pelo romantismo próprio da idade, também eu coloquei um lenço branco com um bonito bordado na minha mochila da escola, não fosse algum dia ter que recolher as lágrimas de alguém e nada mais ter à mão do que um miserável lenço de papel.  O tempo foi passando e para minha tristeza ninguém chorou à minha volta. O lenço branco, foi tomando as tonalidades dos livros, dos dossiers e das canetas que com ele coabitavam na mochila, ou seja, ficou muito sujo, foi para lavar e já não regressou à mochila.

    Lembrei-me desta pequena história a propósito desta toalha.
    Este é o tipo de trabalho que mais gosto de fazer, acho lindo o resultado, o linho bordado ... tem um romantismo, um encanto ... acho que é intemporal. Não me canso de olhar para ela, e já tenho outras ideias para aplicar este motivo, que me faz lembrar os enxovais antigos.  É uma toalha em linho, onde utilizei vários pontos: grilhão, corrente e pé de galo, tem também a renda que foi cosida à mão. Este desenho está na revista Arteideias nº 152.

    E já agora, porque não voltar a colocar na bolsa, o tal lencinho branco com o bonito bordado? ... desta vez, acho que vai ter uso ... não sei ... digo eu ...