terça-feira, 12 de abril de 2011

As velhas artes

   

     Sou daquelas pessoas que guardam tudo!

     Guardo prendas e lembranças, mesmo aquelas com  que não me identifico muito. 
    Guardo os papeis de embrulho, guardo os lacinhos, uns porque penso voltar a utilizá-los, outros porque fazem parte da lembrança que quero guardar e recordar. Sou uma sentimentalista! 
    Posso garantir que em trinta e muitos anos de existencia, tenho já um consideravel arquivo de objectos de utilidade algo dúvidosa com os quais criei uma grande afectividade e não consigo desfazer-me deles, o que é um problema, grande problema ... ocupam espaço, destoam na decoração, mas ... fazem-me lembrar alguém ou um acontecimento, fazem parte da minha vida.
    Panos e toalhas com bordados e rendas, alguns muito antigos, estão religiosamente guardados. Nunca os utilizei, mas adoro pegar-lhes, sentir o cheiro do pano guardado, recordar-me das pessoas a quem perteceram, imaginar as suas vidas o carinho que depositaram naqueles enxovais, em tempos que não era fácil levar um enxoval. Gostava que soubessem que guardo os seus pedacinhos de vida, de sonhos, alguns pequenos tesouros, nem sempre com acabamentos perfeitos, nem sempre o pano é de linho, mas guardo o sentimento e o bem querer com que me os confiaram. 

    Estas duas peças que hoje mostro, foram-me oferecidas por uma senhora de Pontével, a D. Isilda, há já uns bons anos atrás. Guardei-as cuidadosamente mas perdi-lhes o sitio, até que há dias no meio de muitas lembranças lá estavam elas. Fiquei muito contente, até porque já as tinha procurado e julgava-as perdidas. Foi bom pegar-lhes e relembrar muitas memórias boas... não que eu seja  saudosista, mas a verdade  é que é bom recordar o que a vida nos vai deixando de melhor.

    Mas o que são estas peças?
   A primeira é uma algibeira, prendia-se ás saias de baixo com alfinetes, ou atada à cintura com uma fita, a saia de cima tinha uma abertura na costura do lado por onde se enfiava a mão e acedia à algibeira que servia para guardar o dinheiro e o lenço.  A segunda é uma "sogra" ou rodela, na verdade costumam ser maiores do que esta e servem para transportar objectos à cabeça. Eu pessoalmente já usei  na altura das vindimas para transportar o cesto das uvas à cabeça. Quanto ao nome de "sogra" acho curioso e não imagino a sua origem, mas por cá, em terras de Pontével é  assim que se chama. 


16 comentários:

  1. Olá Teresa.
    Acho que somos todos um bocado assim.
    Há objectos que nos trazem boas lembranças e boas energias nunca são demais, certo? :)
    Beijinhos e boa semana.
    M. Céu

    ResponderEliminar
  2. Se bem me recordo duas das peças usadas pela minha avo, pois foi varina durante toda a sua vida... bjs amiga.

    ResponderEliminar
  3. Em relação aos nomes na minha terra ...Ovar... chama-se algibeira usada para guardar o dinheiro das vendas do peixe e a outra é a famosa rodilha, peça usada na cabeça para facilitar o transporte das canastras do peixe na cabeça das varinas. Com muita pena e saudade minha está tudo a desaparecer .

    ResponderEliminar
  4. Olá!
    Eu também tenho essas tendências mas bem tento minimizá-las ao máximo - sempre com grande dificuldade ;)
    Mas relativamente a estas peças mais antigas, do nosso passado familiar, tenho um carinho ainda mais especial... e assim tão ligadas à vida do dia-a-dia nem se fala - não fossem os museus etnográficos os meus preferidos ;)
    A algibeira só me lembro mesmo desses museus, mas a rodilha também me lembro de a usar, mas mais por brincadeira, por prazer de ser uma menina grande e querer ajudar a minha avó, já nem me lembro a carregar o quê - tenho pena de não ter ficado com nenhuma...

    Um grande beijinho,
    MMarta

    ResponderEliminar
  5. Olá Teresa,
    então não es a única a guardar...encontraras muitas pessoas que o fazem, eu so uma delas. Gostei da história que encerra essas duas peças e do seu significado e utilidade....e confesso que fui enganada respeito a tua idade, eu que pensava que partilhava com uma avozinha velhinha e simpática o gosto pelas artes..:o)
    Adorei na mesma!!!
    bjs e boa semana

    ResponderEliminar
  6. Sou de Leiria, ali perto da Nazaré, mas as minhas a vós e até a minha mãe usaram tanto a algibeira como a rodilha.
    É impressionante como em tão poucos anos as coisas caíram em desuso, eu por exemplo até aos 25 anos, mais ou menos, usei rodilha porque ia à praça e trazia sempre o cesto à cabeça e por vezes a minha filha ao colo, isso agora é coisa de um passado longínquo?? Não a minha filha só tem 34 anos, não foi assim à tanto tempo... pronto se calhar foi.
    bjs eugénia

    ResponderEliminar
  7. Olá!
    Páscoa... momento de união, de parar para refletir, de ver a vida de maneira diferente, de ver gente como a gente. Jesus morreu e ressuscitou para mostrar ao mundo o verdadeiro sentido da Vida.

    Peço desculpa por mandar a mesma mensagem para todos mas assim é mais fácil, o importante é que não me esqueço de vocês.
    FELIZ PASCOA
    Beijinhos
    Linda

    ResponderEliminar
  8. Olá querida!!!Já fui assim como você guardava tudoooo.Hoje ainda guardo ,mas não tudo,como é bom recordar olhando em alguma peça...Que peças interessantes essas,ainda não conhecia,bjusss.

    ResponderEliminar
  9. Hola mi amiga querida!!
    pase para desearte una feliz pascua de resurrección!!!!
    no podia dejar de felicitarte por tus trabajos
    un abrazo grande
    __♥♥_♥♥
    _♥♥___♥♥
    _♥♥___♥♥_________♥♥♥♥
    _♥♥___♥♥_______♥♥___♥♥♥♥
    _♥♥__♥♥_______♥___♥♥___♥♥
    __♥♥__♥______♥__♥♥__♥♥♥__♥♥
    ___♥♥__♥____♥__♥♥_____♥♥__♥_____
    ____♥♥_♥♥__♥♥_♥♥________♥♥
    ____♥♥___♥♥__♥♥
    ___♥___________♥
    __♥_____________♥
    _♥____♥_____♥____♥
    _♥____/___@_____♥
    _♥______/♥__/___♥
    ___♥_____W_____♥
    _____♥♥_____♥♥
    _______♥♥♥♥♥
    ....QUE LA ELECCIÓN DE TODOS SEA LOGRAR PARA LA HUMANIDAD ENTERA UN FUTURO DE AMOR Y ESPERANZA ....
    con cariño
    Lore

    ResponderEliminar
  10. Olá Teresa
    Passei para agradecer o simpático comentário e desejar uma Santa e Feliz Páscoa...mesmo que seja com chuva...
    Eu tb sou assim um pouco...guardo muitas coisas, principalmente as boas recordações!
    Bjinhos grandes
    Sandra

    ResponderEliminar
  11. Olá querida Teresa!!
    Sendo já minha seguidora, gostaria de convidar para participar no meu Sorteio PoisZé, que comemora o lançamento da minha Loja Virtual, com muitos prémios. Gostaria também de ouvir a sua opinião ou críticas à Loja e teria o maior prazer em vê-la como uma das participantes do Sorteio e quem sabe ganhar uma das minhas peças.
    Um grande abraço, Zé Maria
    http://josemarialobatoartesanato.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  12. Olá amiga, vim te convidar para participar do sorteio de aniversário no meu blog! Beijossss....

    ResponderEliminar
  13. Oi, tudo bem? vim avisar que a Ramana (madrinha do meu blog) está realizando um sorteio no blog dela, é uma bolsa muito bonita, gostaria de convidá-la a participar.
    http://yogaintegralepoemas.blogspot.com
    Para entrar em contato com ela é só ir lá em cima na opção contato que tem o e-mail dela, porque o comentário está com problema.
    Desde já muito obrigada, bjos

    ResponderEliminar
  14. Isto sim é coisa de "Velha" eh eh eh , algibeira, usaravam as minhas avós, lá guardavam tudo o que precisavam quando saiam de casa.
    Rodilha usei também e tenho uma de relíquia, quando era pequena ajudava a minha mãe a trazer água numa bilha, (pequeno cantaro).
    gostei desta postagem, e agradeço a sua visita às minhas bonecas, obrigada, beijinho

    ResponderEliminar
  15. Também tenho peças como essas. verdadeiras reliquias de outros tempos mas sempre actuais. beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar