domingo, 24 de agosto de 2014

A Passarola .... :)

    


   Corriam os primeiros anos do século XVIII, quando um jovem padre de seu nome Bartolomeu de Gusmão, sonhou que haveria de construir uma máquina voadora. 
    E, se bem o pensou, melhor o fez!! 
    Chamou-lhe "instrumento de andar pelo ar" e conseguiu do rei D. João V o financiamento do projecto. Entre projectos e experiências,  no ano de 1709, consegue elevar no ar, um balão de ar quente, ainda de pequena dimensão ... que sobe até ao tecto da sala. Facto testemunhado pelo rei e sua corte, e documentado por um cronista da época.

    A subida destes "instrumentos de andar pelo ar" impressionou a assistência, pelo que não seria de supor que tais experiências terminassem ... Imaginem só, que ousadia a deste jovem!! Querer voar ... 

"/.../Há quem afirme que o abandono das experiências foi motivado pela tremenda chacota que os ignorantes e invejosos fizeram do seu invento. Ainda antes das suas demonstrações junto à corte, os boatos circulavam pela capital. O povo alcunhava o padre de «Voador», e o seu engenho volante passou a ser chamado «Barcarola». Circulavam chacotas e pasquins ridicularizando o inventor. /.../ " -  Nuno Crato, A Passarola, Instituto Camões ...


    Mas também há quem diga que o sonho não termina aqui, que o padre construiu um balão de grandes dimensões e o baptizou de "Passarola", e que o tripulou desde o Castelo de S. Jorge até aterrar na Praça do Comércio  ... 1 km de voo pelos céus de Lisboa ... diz-se ... mas não se sabe se foi bem assim ...
    Entre o sonho de quem queria voar, e o escárnio de quem não acreditava ser possível,  nada sobrou do projecto original, a não ser o desenho de uma barca voadora, que segundo li, não passará de uma das muitas sátiras feitas ao invento do jovem padre ...

    74 anos depois, são dois franceses que conseguem ficar na história, como sendo os primeiros a voar num balão de ar quente.

    Lembrei-me desta história, depois de visitar uma exposição - Memórias da Cidade de Lisboa -  e lá estáva a Passarola ...  já não me lembrava dela desde que li o Memorial do Convento de José Saramago ... há muuuitos anos .... :) E porque é sempre bom sonhar, mesmo que pareça impossível de acontecer ... mesmo que seja o sonho ridicularizado por quase todos, de um padre doido que queria voar .... vale sempre a pena tentar!




7 comentários:

  1. Por acaso ainda há dias ouvi um historiador contar esta hístoria na tv.Foi pena nessa época o tal portugues não ter tido mais apoio para concretizar os seus sonhos e ficar com os louros.
    Um resto de bom domingo...!

    ResponderEliminar
  2. Que interessante post. E sonhar é preciso sempre.Mas cuidado ao voaaaaaar também é preciso,rs bjs, linda semana,chica

    ResponderEliminar
  3. Sonhar e voar com os sonhos. Era mesmo o que eu precisava nesta altura...
    Boa semana

    ResponderEliminar
  4. Olá amiga,

    sonhar faz bem pois eleva-nos o pensamento para longe da realidades por breves instantes.

    Beijinhos e bom fim de semana
    São

    ResponderEliminar
  5. Mas muitas coisas de hoje vieram dos sonhos "absurdos" de quem ousou sonhar antigamente.
    A sua postagem me fez lembrar do filme "O Enigma da Pirâmide", que os personagens tb saem voando numa bicicleta com assas.

    Abração minha querida e um lindo mês de Setembro.

    ResponderEliminar
  6. A ficção de hoje é a realidade de amanhã. Também eu vibrei com o relato de Saramago.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Os grandes inventores da historia que fazem humanidade sempre foram rotulados como loucos ou ridículos. O tempo mostrou que estavam certos, só nasceram em tempo errado. Bjs
    Joana

    ResponderEliminar