segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Massa Mãe - muito fácil!! e Pão de fermentação lenta cozido em panela de ferro fundido










    Existem muitas receitas que ensinam a fazer massa mãe. São verdadeiros tratados do pão, muito precisos e rigorosos! E por isso hesitei , achei que ia ser muito difícil fazer este fermento ... Mas não! Não usei medidas exactas, nem medi temperaturas, ou contabilizei o tempo ao minuto ... Saiu bem à primeira. Desafio-vos a tentarem!  As vantagens e a qualidade do pão ... pesquisem na net e vejam a opinião dos especialistas 😊 Para nós faz todo o sentido porque há muitos anos que fazemos o pão em casa e este era o passo que faltava...  

Mas antes de partilhar este procedimento, quero esclarecer que não sou expert na matéria, pretendo apenas desmistificar algo que sendo muito simples, aparece muitas vezes descrito como um procedimento minucioso,  não contesto e aceito, para quem  quiser elevar a  arte do pão a outro patamar :) mas confirmo que não é preciso muita ciência para funcionar...  e que dispensei muitos dos cuidados que eram apresentados como essenciais para obter um fermento de qualidade. 

Aqui fica o registo da experiência, temos usado sempre a mesma base de massa mãe, que foi feita no final do ano passado, e que, se tudo correr bem, vai durar muitos anos.

Comecei por juntar 50 g de farinha tipo 65 e 50g de farinha integral; a receita dizia para juntar 50 ml de água ... xpto ... de nascente ... e por ai vai  ... sem dramas ... usei da torneira - mas precisei mais do que isso ( +/- 80 ml ) até fazer uma pasta não muito líquida. Deixei  dois dias em local escuro, depois juntei mais 50g de farinha tipo 65 e mais 50ml de água e voltei a guardar mais um dia. Ao fim de 3 dias, do início do processo, comecei a ver as primeiras bolhinhas que indicavam que a massa começava a fermentar. Na altura, fazia muito frio e por isso  demorou mais tempo. A partir deste dia, e já mais confiante, juntava diariamente, farinha (50g) e outro tanto de água,  até fazer a tal pasta, havia dias que ficava muito seco e tinha que colocar mais água, outros demasiado liquida, mas nunca se estragou. No total, demorei  6 dias a ficar com um frasco cheio de massa lêveda. Pelo que li, não costuma ser tão demorado, mas, o tempo frio não ajudou.


Dia 1

Dia 3

Dia 4


Dia 5

  

Dia 6

Depois de juntar a farinha, a massa ficou com esta consistência.  A partir desta etapa já fermenta em 24h.

  


Há quem junte 1 colher de iogurte para acelerar o processo, nunca experimentei. Há quem faça só com farinha integral, ou só com farinha tipo 65, eu vou usando ora, uma vez uma, ora outra vez a outra. Há ainda quem diga para não usar água da torneira, porque o cloro mata os"bichinhos" ... não matou ... :)

Guardo  a massa no frigorífico, dentro de um frasco  e quando preciso, retiro cerca de 300g de massa mãe para 1kg de farinha. No frasco fica cerca de  100g de massa, à qual junto 250 g de farinha(+/-) e água até ficar com um aspecto parecido à massa do pão. Deixo a fermentar de um dia para o outro (agora fermenta facilmente em 24 horas) se não necessitar no dia seguinte, coloco no frigorífico e só retiro umas horas antes de voltar a utilizar, para ficar à temperatura ambiente.

E já agora  a receita do pão:

750g de farinha tipo 65

250 g de farinha integral

300g de massa mãe

1 c. chá de sal ... ou a gosto

1 fio de azeite (opcional, nem sempre ponho)

Esta quantidade de massa dá para 2 pães grandes.

6 dl de água morna (e é muito variável, quando se colocam quantidades exactas de água, por vezes fica uma massa seca, ou pode fica uma massa muito mole) Como diz a minha mãe: massa testa vai à festa, massa mole quer lá ir e vai a cair :)

Junto todos os ingredientes e mexo bem, não é necessário amassar muito, basta incorporar todos os ingredientes. Depois é deixar fermentar lentamente, fui alterando os tempos de fermentação e neste momento  deixo umas 5 - 6 horas, arranjei  uma  marca de referencia no meu alguidar, quando a massa chega aquela marca, está no ponto. 

Volto a amassar durante uns 10 minutos e deixo fermentar mais 1 hora.

Entretanto aqueço o forno a 250º e  aqueço também uma panela de ferro fundido no fogão - no meu caso é uma wok, mas também serve - coloco o pão com cuidado lá  dentro e ponho no forno. 30 minutos com a tampa da wok colocada e mais 15 minutos  sem a tampa.

Com o borrifador, deito uns borrifos de água, dentro da wok, para a crosta ficar bem crocante ... e fica mesmo!

Este pão dura vários dias, sem ficar velho. É uma delicia!!



  


As fotos não são do mesmo pão, a quantidade de farinha integral que coloco altera muito o aspecto do pão e a textura. O da foto de baixo tem mais farinha integral. 

Quanto à quantidade de água, também pode influenciar,  é um processo intuitivo, na primeira vez pode não ficar muito bem, mas o pão coze na mesma ... não se estraga :) e depressa se adquire a percepção das quantidades correctas.


Fiquem Bem!

Boas fornadas de pão ...

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

E vamos aos doces ... :)

 A cozinha não é um lugar onde o tempo  passe sem que eu dê por ele. Não sou uma boa cozinheira, nem me esforço muito por sê-lo ... No dia a dia, se fosse possível,  para mim era um lugar a evitar ... :) estou a exagerar, mas...  

No entanto, a coisa muda de figura se, em vez de guisados e refogados, falarmos de farinhas e açucares.  Gosto muito ... muito mesmo!! 

Gosto do cheiro a pão que invade a casa toda,  de ver a despensa com frascos e frasquinhos de muitas cores, sabores e cheiros ... tudo feito em casa. Infelizmente a ideia é muito "romântica", mas nem sempre possível. Conseguir encaixar estes prazeres em dias "preenchidos" é um desafio... mas um prazer! :)




Estas duas receitas, têm nomes em inglês  muito sugestivos, "salted caramel souce"  e "chocolate chip caramel", mas vou abreviar para "caramelo" e "bolo cookie",  porque a massa é semelhante à das bolachinhas ...

Para o caramelo:

1 cháv. de açúcar;

1/2 cháv. de água;

- deixar ferver em lume médio.

Juntar a manteiga, foi a "olho" mas imagino que umas 70g e deixar ferver  até ganhar aquele tom dourado do caramelo. Depois retirar do lume e juntar 1/2 pacote de natas. Bater energicamente. Se gostarem do sabor mais salgado é juntar umas pedrinhas de sal, eu juntei baunilha.


Feito! Pode-se guardar no frigorífico. 

Sou do género que vai guardando receitas ... :) Experimento algumas, mas não consigo experimentar todas ... somos poucos aqui em casa :) No entanto, guardei um monte delas que levam caramelo, mas ainda não tinha conseguido fazer "aquela" receita de caramelo que resultasse bem. Foi desta!!!

A receita encontrei-a num site estrangeiro e confesso que as traduções das medidas, implicam alguns malabarismos, no entanto a receita está  testada e aprovada!



Cá vai ...

- Bater 1 e 1/2 chav de açúcar mascavado com 1 chav, de manteiga à temperatura ambiente;  juntar 1 colher de chá de baunilha e 2 ovos grandes. Mexer!

- Juntar depois a farinha,  2 e 1/4 de chav, e 1 colher de chá de bicarbonato de sódio ou pó royal. mexer bem e finalmente juntar 1 tablete de chocolate picado.



- Colocar metade da massa num tabuleiro forrado com papel vegetal e vai ao forno pré-aquecido a 170º, durante 10m. Retirar e colocar o caramelo por cima e depois o resto da massa em cima do caramelo. Deixar no  forno durante mais 20m, ou até a massa ficar douradinha e o caramelo começar a borbulhar por entre a massa.  


O molho do caramelo mistura-se com a massa das cookies ... não há como resistir


É bom!! ... é muito bom! 


Não vou transformar a vida da velha :) e "obriga-la" a passar mais tempo na cozinha, mas sempre que se justifique vou publicando algumas receitas.

Fiquem bem!!
... e que a vida vos seja doce! ;)



quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Novamente o tricot


Vi no pinterest - o meu grande mestre, logo a seguir ao youtube - uma camisola que me encantou, num fio mesclado em tons de azul. Achei o efeito do ponto  às ondas, lindo!  Fui à lojinha do costume, que apesar de não ter aqueles fios maravilhosos que vejo  em muitos trabalhos na blogosfera, vai dando para o gasto ... Não havia mesclados em tons de azul, escolhi este que também não me desagradou. 

Comecei por seguir as indicações do rótulo e utilizei as agulhas recomendadas, apesar de ter achado que eram demasiado grossas para a espessura do fio. Fiz um quarto da frente da camisola e decidi desmanchar tudo - ficava um ponto demasiado aberto. Recomecei com agulhas mais finas, e quando já tinha novamente feito um quarto da frente, continuei a achar o ponto demasiado aberto. Desmanchei!!

Resolvi então, intercalar este ponto das ondas - não sei como se chama na realidade - com 15 carreias em ponto liga para dar o efeito de riscas. Gostei do resultado final, é muito simples e prático, é algo que vou vestir muitas vezes ... apesar de na foto que tirei, o aspecto não ser grande coisa :))


Como já tinha dito aprendi a fazer o ponto no youtube,  não sei bem onde, mas enquanto escrevia este post, pesquisei e encontrei este link,  que explica muito bem como se faz.

Tenho ainda duas camisolas nas agulhas que ficaram do inverno do ano passado, quero muito acaba-las, mas o tempo ainda não pede fios quentes e por isso permanecem em stand by.

Dizia-me alguém, que isto de se tricotar camisolas é só por carolice e é um disparate, porque os fios são muito caros, mais caros do que o preço de  uma camisola comprada já feita ... e acresce ainda o valor do tempo ... Não vou sequer argumentar :) é um facto!  A diferença é que, quem não gosta de tricotar, ao custo do fio, soma o custo do tempo, quem gosta... ao custo do fio, diminui o custo do tempo ... então o resultado é muito compensador!!

Fiquem bem!

Bons trabalhos ;) 

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Doce de figos com vinho do Porto e nozes ...

A receita é simples! 

O segredo está na paciência ... e a paciência faz toda a diferença  ...  

Felizmente tenho alguma ... pelo menos gosto de pensar que sim .... :))

Para 1kg de figos, 500g de açúcar amarelo ( ou, como  se diz em alguns lugares, açúcar loiro)

Corto os figos em 4, envolvo no açúcar e deixo ficar, sem pressa ... até formar um xarope. ah!  junto também o vinho do porto, foi a "olho"  ... uma boa quantidade.

Junto um pau de canela - a receita pede também  uma casca de limão, mas dispensei ... gostos ! Vai a lume brando, e é só deixar cozinhar ... talvez 1 hora. 

Deixar arrefecer! A receita original fica por aqui ... eu retirei o pau de canela e triturei tudo. Depois é só juntam uma boa mancheia - a palavra existe :) - de nozes picadas grosseiramente.

Esterilizei  frascos e ainda quentes, enchi-os e coloquei-os com a tampa voltada para baixo para criar vácuo - passo dispensável porque não vai dar tempo para se estragar ... 



Tem um leve sabor a canela ... o vinho do porto ... e o figo .... a textura das nozes, é delicioso!  Rendeu 4 frascos, a intenção era oferecer alguns,  mas quando a reclusão pandémica terminar e eu voltar a ver gente, já não vai haver frascos cheios :)



Fiquem bem!

Aproveitem os figos!!



quinta-feira, 18 de junho de 2020

O saco das costuras


Seria de esperar que, nos tempos que correm e com a reclusão a que estamos sujeitos, houvesse mais tempo livre para ocupar. Nos meus sonhos seria assim e a produção de home made by Teresa  iria disparar para níveis nunca antes visto :)  
Mas não foi! A palavra  "mãe, mãe ... maimmmm "  é frequente, eu gosto e rendo-me a ela ... 

Se para fazer um trabalho demora ... publica-lo no blog, ainda demora mais,  a partilha não é urgente ... e vai sendo adiada.

Mas vamos ao que interessa :))

Precisava de um saco para as costuras, tenho caixas, caixinhas, saquinhos ... mas um saco de tamanho razoável onde coloque tudo e esteja sempre à mão ... não tinha.


O bordado já estava feito  ...  e num destes dias, enchi-me de coragem e  duma volta fiz o saco ... e desmanchei no dia seguinte ... Voltou a ficar em "espera" até ter coragem para lhe mexer novamente e acaba-lo. No fim de pronto, passei a ferro e ficou a aguardar  a sessão fotográfica ... que também demorou. Até que o coloquei a uso ... e se tem dado jeito! 

Finalmente as fotos!! Já não é o saco engomadinho dos primeiro dias, mas acho que dá para ver ... 




Eu gosto particularmente do bordado .. quando encontro algum bordado que gosto e sinto vontade de o fazer, faço. Nem sempre com um objectivo definido. Assim, tenho alguns em reserva para trabalhos futuros :)




A parte de trás do saco, tem duas algibeiras, dá jeito para guardar uma agulha de tricot ou tesoura enquanto se faz um trabalho.




E por dentro ... gosto do forro ...  mas falta fazer um organizador para ficar tudo em ordem e no sítio certo, o saco ainda é grandote e muita coisa lá dentro, facilmente se instala o caos, mas isso fica para outras costurices  ... :)




Agora o saco antes das costuras que o fecham, para o caso de alguém querer fazer e não saber por onde começar. É simples ...!! 





Gosto muito do meu saco, mas sei que sou suspeita ...  ;)


Fiquem bem!!
Boas costuras 






segunda-feira, 27 de abril de 2020

O saco das compras!

Era para ser um presente para oferecer na Páscoa, com as amêndoas lá dentro ... Tinha que ser um bordado simples porque foi pensado em cima da hora e já não dava tempo para projectos elaborados. Feito o bordado, não encontrei o tecido  que queria usar ... também não tinha cordão para fechar o saco e a ganga que tinha era demasiado escura. Desisti do presente e do projecto.

Mas, fins de semana de quarentena e fechada em casa dá nisto ...  fui buscar umas calças velhas e improvisei. Encontrei um tecido com borboletas que me foi dado numa troca de blogues há já alguns anos, o cordão foi substituído temporariamente por trapilho e ... problema foi resolvido! Não vou oferecer um trabalho feito de calças velhas :) também já não vai a tempo da Páscoa ... este fica para mim e vai ser o meu saco para as pequenas compras,  vai também servir de molde para outro que quero fazer, esse sim, feito de um tecido mais fino, para que fique mais pequeno ... bem mais pequeno ... e para que possa servir também de posta-chaves. Depois mostro !!





O saco das compras fica escondido dentro de um saquinho.



Parece encolhido, mas é da foto .... :) esta é a parte de trás do saco.



Tem um bolso com um fecho para levar o dinheiro das compras e as chaves de casa ... pensei em tudo :)




O padrão do tecido às borboletas, não seria a minha primeira opção, mas não desgosto .












E agora o saco antes de ser cozido, só para perceberem como foi feito




Fiquem bem e com saúde!!
Boas costuras!!




sexta-feira, 17 de abril de 2020

Máscaras de Tecido

Quando comecei a perceber a gravidade da doença Covid-19, decidi seguir apenas as recomendações da DGS, não ir em ondas, nem perder-me pelas considerações de quem sabe tanto como eu...


Assim, se a DGS dizia que não devíamos  usar máscaras, porque eram poucas e as que havia deveriam ser encaminhadas para quem delas realmente precisava ... eu assim o fazia. Diziam também que ..." máscaras de tecido não, dão uma falsa sensação de segurança e não protegem de nada!" . Isto já levantava algumas dúvidas ... mas a minha formação não é em medicina ... por isso aceitei ... até porque, pouco tenho saído de casa e não me faziam muita falta. 
Entretanto, mudaram de opinião e de acordo com a OMS , sim, é para usar máscaras mesmo que feitas de tecido ... depois veio o alerta ... não façam as máscaras em casa ... Entretanto tentei comprar máscaras ... 8.50 euros  numa farmácia aqui perto - máscaras bico de pato que segundo explicação de um técnico de saúde, não são as mais indicadas porque protegem quem as usa, mas não protegem os outros ... Desisti e resolvi seguir o que me parece ser o bom senso ...na ausência de melhor,  máscaras de pano... Não serão a melhor protecção do mundo, mas acompanhadas por outras precauções, sempre devem proteger alguma coisa. 

O PAP vi no blog Bordalinhas - querida Lete, retirei sem pedir autorização, obrigada! - e estão feitas! 
Preciso de elástico ... sei que tenho, mas depois de uma ausência tão grande, o armário onde guardo os meus trecos de costura, permanece  - permanecia - imaculadamente arrumado, e eu não sei de nada!  Caixas, caixinhas, sacos e saquinhos, um mimo!! Um primor visual  digno de uma Marie Kondo ... ineficaz porque não cumpre o propósito que é saber onde as coisas estão ... Mas tenho cá para mim que depressa irá voltar à normalidade ...

Quanto às máscaras são forradas e dá para colocar um filtro que pode ser tecido TNT , filtros de café, papel de cozinha .... há muitas opções ... 

São muito fáceis de fazer, não vou colocar o passo-a-passo, porque copiei  daqui  e está lá tudo!!









Boas costuras!!
Fiquem bem!!


terça-feira, 7 de abril de 2020

E agora algo rude ... mas útil!

Para recomeçar as publicações não vou mostrar o tipo de trabalhos que seria suposto, mas sim um restauro de umas portadas antigas que pertencem a uma casa que estamos a recuperar. Mas o exemplo, serve para muito mais ... móveis, cadeiras ... mesas ...

Vou explicar o processo, de como decapar madeiras de forma natural sem recorrer a produtos tóxicos e poluentes . É muito simples e eficaz .

A minha mãe disse-me, que recorda-se do meu avô utilizar cal viva e soda caustica para retirar a tinta da madeira, não sabia quantidades nem se  lembra muito bem do processo, porque era criança na altura ... então passámos as duas para a experiência ...

Comecei por pesquisar na internet e quase não existe informação, apenas referências vagas ao processo.

Fizemos assim:

Numa lata velha colocámos algumas pedras de cal e um pouco de água de modo a tapar as pedras. Deixamos que a reacção química se inicie e comece a ferver. Se a água começar a secar e ainda houver pedras inteiras, então juntar mais água.  Deixamos ferver e juntámos soda caustica ... mais ou menos a olho ( 3 tampas do frasco). Cuidado porque a cal quando está a caldar queima mesmo!!  .... muito cuidado com os olhos, porque respinga !! A soda caustica também queima! Mas não é tão mau como pensei, já tinha visto caldar a cal e, como saltam  salpicos da lata, imaginei que, com a reacção da soda caustica fosse bem pior, mas não ... com os devidos cuidados, pode-se fazer com segurança.



Quando as pedras estão desfeitas e a pasta começa a secar, deitamos mais água para parar o processo, mas pouca quantidade , pois o resultado pretendido é uma pasta e não cal liquida - não vamos caiar paredes.



Barramos generosamente as peças com esta pasta, depois é só deixar que a tinta comece a amolecer.


Com uma espátula retirar a pasta e a tinta, sai sem nenhum esforço. Depois lixar e preparar para nova pintura.



E pronto ... é isto e não tem muita ciência! Não mostro a peça final, porque ainda não está pronta ... 

Fiquem bem e se experimentarem digam como correu. 




segunda-feira, 6 de abril de 2020

De volta ao que me faz Feliz!

     Foi tudo junto!
    Foi o desânimo pelas redes sociais do "politicamente correcto"  ...  foi o retorno a uma actividade profissional ... foi a falta de tempo ...  Foi tudo isto - ou apenas a falta de vontade - que me levou a deixar de publicar no blog.
     É a maior ausência de sempre neste blogue,  mas estou viva e de saúde!
    Nestes quase três anos,  fiz poucos trabalhos programados, dediquei-me ao tricot, fiz camisolas, meias e mantas ...dediquei-me à doçaria, fiz bolos, bolachas, pão, iogurtes ...  "descompliquei" a vida, deixei crescer cabelos brancos, continuei a sonhar que um dia iria viver no campo e ter uma horta.
    Ajudo a mais nova na escola, descobri que gosto de matemática e percebi finalmente o que é o modificador, o complemento oblíquo e o agente da passiva, o mais velho  continua um aluno exemplar.
     Fiz uma lista de lugares que quero visitar, hei-de fazer uma de livros que quero ler e de coisas que quero fazer ... mas nunca fui boa com listas. Comprámos uma mota e juntos, vemos  vídeos de viagens de mota pela Europa. Na primeira vez que andei, magoei a perna, meses depois ainda tenho a marca, mas já não fecho os olhos quando ele ultrapassa os carros.
   
      Em retrospectiva foram três anos curiosos...
   
     Este ano o mundo mudou ...  Sinto o mesmo que todos sentem ... a incerteza do futuro, a saudade dos ausentes ... Sinto que não sei nada de máscaras, vacinas, curvas, picos .... não faço ideia ... mas dá-me umas "ganas valentes" de agarrar a vida no presente, de cuidar dos meus,  dos teus  ... de todos... de os guardar no bolso e de os proteger. 
     Não vai acontecer, porque não vou sair à rua ... mas lá que gostava ... gostava ...

    Até breve ... Vou voltar de forma assídua ... sem promessas e sem obrigações. Só porque sim ... pelo prazer da partilha e pelo prazer da companhia!
    
    Fiquem bem!! 
      
         
    

   

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Such a perfect day!!

    Esta é uma frase que me ocorre muito ...  afinal, a velha é rapariga de bem com a vida e com pouco, se deixa ficar feliz ...  :)




   Levou tempo a escolher o bordado, tinha que lhe sentir o significado ... abri a porta da gaiola ... nada de pássaros presos. A frase, tinha que fazer sentido, afinal não é todos os dias que se faz dezoito anos!  
   



    Podia ter ficado com mais cor ... mas mesmo assim, gostei ... tem um não sei o quê de shabby chic!
    

   Depois, foi só colocar numa moldura ... e já está!! A ideia era que o bordado servisse como postal de aniversário, depois a aniversariante tirava e colocava as suas fotos. 
    Ela diz que não, que gosta assim ... 
 

     Então, que fique assim! ... :)
   
    Com o mês de Agosto a chegar é tradição porque aqui, encerrar o estaminé para férias, este ano talvez não, vou continuar a postar, pois ao ritmo lento a que o faço, não se vai notar grande diferença :) Como sempre há muitas ideias, mas pouco tempo ... 


   Fiquem bem!
   E dias perfeitos ... sejam de férias ... ou não ... :)